MMC Magazine: Parece que o Facebook não acredita que ameaçar pessoas LGBTQIA+ de morte seja discurso de ódio


A partir deste mês, vários grandes anunciantes como: Starbucks, Ford, Coca-Cola, Honda e Verizon, para citar alguns - estão retirando seus anúncios do Facebook para protestar contra a falta de resposta da plataforma à desinformação e discurso de ódio.

A  campanha Stop Hate for Profit  foi organizada no mês passado por vários grupos de direitos civis, incluindo a Liga Anti-Difamação, a NAACP, a Free Press e a Color of Change.

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, respondeu ao boicote alegando que a empresa começará a colocar “etiquetas de aviso” nas postagens, mas não impedirá que os usuários publiquem seu conteúdo. Isso para que os usuários do Facebook tenham a liberdade de condená-lo porque "essa é uma parte importante de como discutimos o que é aceitável em nossa sociedade". Mas agora, um novo relatório está destacando a hipocrisia (e o perigo) desse conteúdo não regulamentado.

Ativistas do LGBTQIA+ de todo o Oriente Médio e Norte da África (MENA) se queixaram ao Facebook de postagens particularmente perturbadoras que pedem aos muçulmanos que matem pessoas LGBTQIA+.

De acordo com o Gay Star News e a OUT Magazine, o Facebook respondeu à reclamação dos ativistas sobre um post em particular de um usuário chamado Abdullah, que foi traduzido para: “'Se você acha que é seu direito agir sobre sodomia / homossexualidade, é meu direito jogá-lo do telhado."

O Facebook respondeu aos ativistas do MENA, que o post "não vai de encontro aos padrões da nossa comunidade, incluindo o discurso de ódio".

Imagem: Facebook

Além disso, o Gay Star News observa que os ativistas também mostraram ao Facebook a foto do perfil de um usuário chamado "Michael Clarke", que mostra duas figuras - uma simples, a outra feita em um arco-íris. Na imagem, o homem comum é visto chutando o homem arco-íris, uma clara mensagem anti-gay e pró-violenta.

Imagem: Facebook

Outro usuário sobre o qual eles reclamaram no Facebook é "Waallah Hasal", que postou uma ilustração de um suposto combatente islâmico com uma espada enfrentando manifestantes pacíficos LGBTQIA+ e os Black Lives Matter.

Não se engane, o post de Abdullah não era uma ideia ou sugestão fantasiosa.

Nos últimos anos, relatório após relatório mostrou que membros do ISIS, em nome do Islã, assassinaram homens gays e bissexuais atirando-os de cima de telhados, decapitando-os ou apedrejando-os até a morte. Várias das vítimas eram adolescentes.

22 ativistas e grupos LGBTQIA+ MENA escreveram uma carta aberta ao Facebook, pedindo para tomar mais medidas contra essa retórica violenta no Oriente Médio e no norte da África, como ocorre nos países ocidentais.

A carta veio logo após a morte de Sara Hegazy. A imagem de Hegazy de si mesma levantando uma bandeira de arco-íris em um show de Mashrou 'Leila em outubro de 2017 se tornou viral. Logo depois, ela ficou presa por três meses. Depois de procurar asilo no Canadá, o trauma de Hegazy cresceu demais para suportar e ela acabou morrendo por suicídio.

"Embora a comunidade MENA LGBTQIA+ tenha relatado milhares de publicações em árabe sobre discursos de ódio a maioria desses relatórios foi recusada porque o conteúdo 'não contradiz os padrões da comunidade do Facebook'. Isso se deve à negligência na implementação de políticas eficazes de discurso contra o ódio em nossa região, o que torna a plataforma insegura para as minorias sexuais", afirma a carta.

"Nos EUA e na Europa, não há espaço para espalhar discursos de ódio contra qualquer orientação sexual, raça, religião, seita ou qualquer outro grupo social", disse Adam Muhammed, diretor executivo do ATYAF Collective, um grupo LGBTQIA+ com sede em Marrocos. em comunicado à Reuters . "Endereçamos uma carta ao Facebook solicitando à sua administração a implementação da mesma política aqui usada em outros países".

Nicolas Gilles, co-fundador da Associação Francesa ANKH para os direitos das minorias, que co-assinou a carta, chamou a morte de Hegazy de alerta, acrescentando: “A comunidade LGBTQIA+ agora no mundo árabe está testemunhando assédio e bullying e todo mundo está dizendo que poderia ser o próximo [Hegazy] e nós não queremos isso. ”

Desde então, o Facebook respondeu à carta aberta, dizendo à Reuters:

"Sabemos que temos mais trabalho a fazer aqui e continuaremos a trabalhar em estreita colaboração com os membros da comunidade LGBTQIA+ no Oriente Médio e Norte da África para desenvolver nossas ferramentas, tecnologia e políticas".

Fonte: OUT Magazine